Ministro do Ambiente e da Ação Climática visita CSWINDASM no Porto de Aveiro

  • On 10 Dezembro, 2021

“Isto é ambiente e sustentabilidade. Investir na sustentabilidade é criar riqueza, mão-de-obra qualificada, com investimentos industriais”

“Isto é ambiente e sustentabilidade. Investir na sustentabilidade é contribuir para o nosso bem-estar, para a nossa saúde, para a capacidade de a espécie humana viver muitos milénios na Terra. Mas investir na sustentabilidade é criar riqueza, é criar mão-de-obra qualificada, é criar possibilidades de distribuir essa riqueza e de criar bem-estar, através de investimentos industriais”, enalteceu João Pedro Matos Fernandes, ministro do Ambiente e da Ação Climática, na visita de hoje, dia 10 de dezembro, à CSWind ASM, sedeada no Porto de Aveiro, que produz torres eólicas e fundações offshore. João Galamba, secretário de Estado Adjunto e da Energia, também acompanhou a iniciativa.

Após uma visita guiada à fábrica, Adelino Costa Matos, CEO da CSWind ASM, fez uma breve introdução sobre a empresa, remontando ao seu início e contínua evolução do negócio e do seu investimento. “Conseguimos transformar um setor com muito potencial criando elevado know-how interno. Portugal começou a ter capacidade e know-how na produção e começou também a exportar a posteriori.”

“A partir de 2015 iniciámos um novo ciclo de transformação, em que decidimos investir 35 milhões de euros em Sever do Vouga para aumentar a capacidade das torres eólicas onshore, mas também nesta fábrica offshore, como poucas que existem na Europa. Orgulhamo-nos de criar aqui torres como poucas empresas conseguem fazer, e traçámos este objetivo de, no espaço de 10 anos, isto em 2015, faturarmos 100 milhões. Na verdade, não será em 2025, mas já em 2022″, revelou Adelino Costa Matos.

“Foi um trajeto de diversificação de clientes, de produto, de modernização e capacitação. E seis anos depois, cá estamos no Porto de Aveiro, que tem uma localização estratégica, com um potencial enorme. Olhar para esta indústria e criar valor nacional, garantindo que o know-how está no nosso país”, salienta o CEO da CSWindASM. “Fizemos ainda uma parceria com a CS Wind, que é o maior fabricante do mundo de torres eólicas, e que adquiriu a maioria do capital da empresa, para reforçar a nossa capacidade de investimento e sermos o maior e melhor fabricante da Europa, através de Portugal, através do Porto de Aveiro”, destacou Adelino Costa Matos.

“Pretendemos investir 260 milhões de euros no Porto de Aveiro nos próximos quatro anos e triplicar a capacidade de fabricação de torres eólicas e fundações.», indicou o CEO. Por fim, dirigiu algumas palavras ao ministro Pedro Matos Fernandes e ao secretário de Estado, João Galamba. «Quero agradecer o vosso serviço ao país, não só por aquilo que representam, mas acima de tudo por terem atuado de uma forma estratégica na área da transição energética, da ação climática e da energia. Parabéns pela dinâmica que imprimiram nos últimos anos neste setor, toda a resiliência e todo o sentido estratégico. Portugal não pode ficar para trás, tem de liderar e replicar os casos de sucesso, criando valor no nosso país.”

João António Campolargo, presidente da Câmara Municipal de Ílhavo, felicitou toda a visão que o Porto de Aveiro tem de se transformar num hub de aceleração das atividades económicas industriais e logísticas. “Todos estes atores industriais ganham aqui uma nova dinâmica com a presença do nosso Porto de Aveiro. As indústrias trazem novos negócios, novos desafios, geram riqueza e, uma coisa importante, postos de trabalho, neste caso nos próximos três anos, e que muito me agrada.”

“No futuro apresenta-se um programa auspicioso, com as indústrias metalomecânicas, nesta vertente da produção de sistemas complexos mais amigos do ambiente e que vão continuar a usar o transporte marítimo e eliminar algum transporte rodoviário”, afirmou João António Campolargo. “Hoje, nesta empresa, quero valorizar o trabalho que aqui está feito e a sua possibilidade de expansão. É com muito orgulho que acolhemos este investimento e o parceiro, a CSWind ASM, empresa que já tinha escolhido em 2019 e perspetiva uma presença muito auspiciosa até 2028. E muito importante para o nosso ministro, temos aqui um grande contributo para as metas definidas na COP26, e acho que está aqui bem definido que Portugal quer produzir e estar na linha da frente dessas participações”, partilhou o presidente do município de Ílhavo.

“Espero que este forte investimento de 260 milhões de euros traga benefícios para todos, especialmente económicos e ambientais. Acreditamos que este conjunto entre os empresários e gestores, a nossa Universidade de Aveiro e o papel do Porto de Aveiro, nos vai permitir manter uma costa nova e uma vista alegre”, rematou o autarca.

O ministro do Ambiente e da Ação Climática começou por dizer que “estou sinceramente convencido que uma das razões pelas quais esta empresa coreana, líder no mundo, veio para Portugal tem obviamente que ver com o know-how que esta empresa já tinha, e que a A. Silva Matos sempre teve, a capacidade profissional e ganhadora de mercados que sempre teve. Mas quero acreditar que não foi só por isso. Que foi também pelo facto de os investidores olharem para Portugal como um país líder nesta transição, que aposta decididamente nestes investimentos, que vai fazer muitos destes investimentos e ser cliente de muitas destas torres que aqui se fazem, que dá toda a estabilidade aos investimentos que são feitos em prol da sustentabilidade de Portugal e do mundo”, considerou o ministro do Ambiente.

Pedro Matos Fernandes deixou ainda o repto. “É cada vez mais proveitoso percebermos que as pessoas, as instituições, as administrações portuárias, as autarquias e os novos empresários e gestores reconhecem que a Europa deve estar na frente no combate às alterações climáticas. Que isso tem um enorme valor ambiental, mas que tem também um enorme valor económico. E que sermos os mais ambiciosos nas metas, nos discursos e na prática, vai fazer com que a Europa lidere no mundo aquela que vai ser a principal ferramenta de crescimento económico e de investimento, que é o combate às alterações climáticas.”

“Muita sorte para a fábrica, muita sorte para Ílhavo, muita sorte para os futuros investimentos que vão ser feitos, e para o Porto de Aveiro, que encontra aqui cada vez mais a sua vocação, de ter um espaço generoso no terreno onde cargas como estas, tão especiais e técnicas, podem ser carregadas diretamente”, terminou o ministro do Ambiente.

O programa terminou com o descerramento de uma placa comemorativa desta visita de Pedro Matos Fernandes às instalações da CSWINDASM.

 

0 Comments